sexta-feira, 14 de junho de 2013

#RESENHA: Ember - Charm is a curse, love is a fire - Bettie Sharpe


Olá, mais uma resenha de um romance sobrenatural. Este livro seria uma releitura mais humorada, dramática e picante do clássico conto da Cinderela. Veja Capa e Sinopse:  



Todo mundo ama o Príncipe Encantado. Têm que ele está amaldiçoado. Todo homem deve respeitá-lo. Toda mulher deve desejá-lo. Um olhar, e tudo está perdido.
Ember preferia arrancar um pedaço de sua alma, do que ser escravizada por paixões que não seja ela própria. Ela se vira para as artes das trevas para salvar seu coração e torna-se a única mulher no reino capaz de resistir Charme do Príncipe.
Pobre moça. Se Ember tivesse passado menos tempo estudando magia e mais tempo estudando a natureza humana, ela poderia ter imaginado que um homem que faz tudo que quer, venha a querer a mulher que ele não pode ter.
Apesar de passar ser mais um conto de fadas este livro nos mostra claramente que para ser mágico nem sempre o príncipe tem que ficar com a princesa. Ember é uma anti heroína, que foi criada por sua mãe que é uma bruxa. Ela narra de forma descontraída e já nos esclarece que a história dela não é um conto de fadas. Ember não é uma bruxa muito má, mas por mexer muito bem com o elemento fogo causa grandes problemas com quem cruza seu caminho. Ember vive num reino governado por um príncipe com uma maldição, maldição esta de ser o homem mais lindo e idolatrado por qualquer pessoa. Para fugir desta maldição Ember faz um feitiço onde ela é a única que pode resistir a qualquer encanto do príncipe. Após a morte do seus pais, ela fica com casa e com um madrasta e duas irmãs que a ama muito, mas com estas três mulheres não são verdadeiramente parentes e sim antigas prostitutas, após a  morte do pai de Ember com a falta de dinheiro elas resolver construir um prostíbulo, que passa a ser visitado pelo príncipe mas ele não quer nenhuma das três, ele quer aquela que nunca quis ele: Ember 
Bem acho que já falei demais... a história não é ruim, mas a linguagem é bem adulta. 
abraço,
Samanta